Picture SNOWSHOEING IN SANTA FE (NEW MEXICO, USA, March 2010)

Vicky Mundo Afora ou Mundoafora? Nao importa. É vida de imigrante. O mundo eh tao grande. Por que deveria passar minha vida inteira no Rio de Janeiro? Preciso viver e falar outras linguas, viver com e como outras pessoas. Um dia eu volto. Para onde? Ora, para casa. Onde eh casa mesmo?



Picture credits on this blog go to my lovely husband, who has never enough of beautiful and interesting views all over the world. If a picture is not his, it will be linked to its original source.

Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Aprendendo australiano

Uns meses antes de vir morar na Inglaterra fui chamada para um entrevista de emprego . Nao sei o cargo, nao sei a empresa. Soh que eu seria entrevistada nas linguas que apareciam no meu CV. Liguei pro meu professor de ingles, que era Australiano, e disse pra ele que precisava de uma imersao porque estava nervosa com a situacao da entrevista. Naquela epoca meu ingles estava meio travado...

Por algum motivo o Steve adorava conversar comigo, e as nossas aulas eram sempre no buteco, regadas a cerveja, logico. O melhor jeito de aprender, recomendo.

Naquele dia eu estava super nervosa porque jah faziam muitos meses que eu nao conversava em ingles e eu queria muito passar naquela entrevista. Fomos para o buteco e o ingles travado, falamos um monte de abobrinha e a conversa nao fluia de jeito nenhum. O Steve foi pedindo mais cerveja e nada do ingles desenrolar. Deu 2 horas que a gente estava ali e eu falei a ele que poderia ir embora porque nao tinha dinheiro para pagar mais do que 2 aulas. Rapaz! O australiano virou macho! Disse que tava no buteco sabado a tarde bebendo com uma amiga, que aquilo nao era aula e que estava ofendido por eu dizer que tinha que pagar para conversar.

Comecou a pedir mais cerveja e eu fui ficando mais solta e meu ingles idem, ateh que ele comecou a falar mal de favela, do governo e do povo brasileiro. Gringo folgado! Eu posso falar mal da minha terra, ele morando na propria, nao! Ou voce deixaria alguem falar mal da sua mae na sua frente? Soh quem eh filho da minha mae pode falar mal dela na minha frente. Gringo nao! Fiquei uma arara! Eu me alterei e comecei a falar bem alto sobre o processo de urbanizacao no Brasil, dei uma aula de Historia do Rio de Janeiro pra ele, fiquei de pe, fiz discurso, abri os bracos, gesticulei e ele parado, ouvindo. Enfezada eu perguntei:

- Vai ficar parado aih me olhando, nao vai falar nada nao?

Ele comecou a rir. Disse que era isso mesmo que ele estava provocando, era isso mesmo que ele queria que acontecesse.

Quando eu olhei em volta, tava todo mundo no bar em silencio, espantado, olhando aquela discussao… Em ingles!

***

4 comentários:

Helio Jenné disse...

Hahaha! Essa cena eu queria ter visto... Deve ter sido hilário, Vicky! Mas pelo menos serviu pra desenferrujar o inglês. Boa tática dele! Beijão!

Anônimo disse...

Na hora que o sangue ferve a gente mostra a gramática que estava tímida :-)principalmente em relaçao ao nosso Brasil brasileiro.
Seguro que passaria o mesmo se o caso fosse ao contrário,se alguém falasse mal na tua frente de Londres.

Por exemplo:
Aquela velha frase como...
"Brazil is my country,but London is my home"

Something like that :-)
Bom fim de semana!
XXX
Ana

oscilantemente disse...

hahahaha, porra, preciso de um professor desses!

Vicky disse...

Steve era um professor e tanto, pena que nao tenho mais o contato dele, e nem sei se ainda está por Niterói. Só sei que era casado com uma mulher que era uma fera e nao gostava dele dando aula particular. Coitada de mim!

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin