Picture SNOWSHOEING IN SANTA FE (NEW MEXICO, USA, March 2010)

Vicky Mundo Afora ou Mundoafora? Nao importa. É vida de imigrante. O mundo eh tao grande. Por que deveria passar minha vida inteira no Rio de Janeiro? Preciso viver e falar outras linguas, viver com e como outras pessoas. Um dia eu volto. Para onde? Ora, para casa. Onde eh casa mesmo?



Picture credits on this blog go to my lovely husband, who has never enough of beautiful and interesting views all over the world. If a picture is not his, it will be linked to its original source.

Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Aquecedor e Drama

Aquecedor e Drama

Chegando no exterior pela primeira vez, eu me deparei com uma novidade que não exite no Brasil: aquecedor central. (Deve existir lá pelo Sul, mas no Rio de Janeiro, não mesmo.) Eu, friorenta crônica, nascida em pleno sábado de carnaval, agradeci aos deuses pela minha nova descoberta, que me libertaria da sensação de freezer, e deixaria muito drama para trás. Ou assim eu acreditava.

Minha primeira vez foi na casa onde estava hospedada por 1 mês, em Oxford. Feliz da vida, batia perna na rua o dia inteiro, nem percebi a existência dele, só que era o lugar perfeito para secar calcinhas depois do banho. De lá, fui passar uns dias na casa de um primo em Londres, e congelava porque a temperatura do aquecedor ficava em 20C, e aquilo pra mim era sofrimento. Ficava dentro de casa vestindo todos os meus casacos.

Um ano depois, chego em Londres, mas dessa vez era para ficar. Os primeiros lugares onde morei, dividia com outras pessoas, não tinha muito controle sobre a temperatura da casa, até  chegar a um apartamento em Pimlico, onde o aquecimento era a partir de energia gerada no próprio condomínio, e era tudo ligado automaticamente a partir de outubro. Só lembro do calor! Tinha que usar camiseta e short dentro de casa, e só conseguíamos dormir com a janela aberta, para refrescar.

Esse apartamento em Pimlico é que me ensinou porque o aquecedor não pode ser muito quente. Não é só uma questão de conforto térmico, o aquecedor funciona retirando toda a humidade do ar, e o seu nariz começa a sangrar, o cabelo vira uma palha e a sua pele resseca a ponto de rachar... Só então é que fui entender porque meus primos deixavam a temperatura da casa em 20C. E depois de morar alguns anos mo frio, a resistência aumenta, e naturalmente você deixa de precisar de tantas camadas.

Mesmo que a temperatura da casa esteja "alta" durante o tempo que todos estão acordados, é sempre melhor abaixar para a hora de ir dormir. Sua noite vai ficar muito mais confortável.

Durante o dia, enquanto não tem ninguém em casa, reduza a temperatura, para evitar desperdício de energia, e as contas altas de luz e gás. Casas mais modernas têem termostato programável, e mantém todas as variaçoes constantes durante a semana. Casas mais antigas têm que ser controladas manualmente, mas isso também não é nenhum problema.

Quando viajamos durante o inverno, ou passamos muito tempo fora de casa, nunca deixamos o aquecedor completamente desligado. Isso pode causar um grande problema, com o congelamento do equipamento da casa. Deixe ligado no mínimo positivo que puder. O "prejuízo" com o gás gasto nessa operação, é menor que ter que trocar todo o sistema de aquecimento da casa em pleno inverno.

Hoje em dia, na minha própria casa, no meio do deserto no Novo México, deixo a temperatura da casa em torno de 17graus. Como não existe mesmo humidade no ar dessa terra, a sensação é de menos frio do que nos 20graus em Londres. E aprendi a usar meus potentes cremes para proteger pele e cabelo, tenho uma caixa de lenços de papel em cada superfície da casa, e uso toda a minha lã, muito feliz da vida. Melhor ainda é reclamar com o marido que está  frio demais, e tê-lo dividindo o sofá comigo, para me aquecer.

***

4 comentários:

Sibely Vieira disse...

Gostei das dicas..! Aqui em casa eu sempre deixo a 22 Graus, e mesmo assim ainda sinto muito frio..!!! Beijos..!

Ana Frost disse...

Oi Vicky! Em Porto Alegre em casa tinha o ar-condicionado que refrigerava ou aquecia mas a conta de luz tu imaginas a conta ne, então usávamos aqueles aparelhos aquecedor pequeno que consumia menos energia. Madrid era a máquina aquecedor caldera, tanto para água quente como para o aquecedor radiador do apt, ficava a central na sacada e ligava ali. Aqui em London e na cozinha, antes eu estranhava :-) Pra dormir em nenhum lugar eu deixava ou deixo a central ligada. Fica bem xxx

Vicky disse...

Sibely, tem mais coisa. Ainda tenho que atualizar este post. Tenho várias histórias por conta de aquecedor.

Vicky disse...

Ana, onde você mora hoje, o aquecedor é programável, ou o controle é manual? O pior de tudo, pra mim, é ter que levantar com muito frio. Meu ideal é deixar programado para aumentar a temperatura 1hora antes de levantar. Em Londres tem tanta coisa velha que é bem comum encontrar aquecimento ineficiente, mas dormir com ele desligado, isso eu não tenho coragem não.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin